Terça-Feira, 16 de outubro de 2018


PUBLICIDADE




Saúde

Após meses de espera, bebê com cardiopatia consegue cirurgia

Depois de aguardar por oito meses, a menina finalmente foi internada para realizar o procedimento cirúrgico.


26/04/2018 18h19 - Atualizado em 27/04/2018 17h27


A pequena Ana Célia é filha de pirapemense, bisneta do Sr.Jaime da Oficina.

Ana Célia deve ser submetida a cirurgia nos próximos dias

A luta de Ana Célia, uma bebê de 10 meses que sofre de hipertensão pulmonar e cardiopatia ganhou um novo rumo nesta quinta-feira (26). Após quase oito meses de espera, a menina finalmente foi internada para em breve realizar o procedimento cirúrgico.

Leia Também:

Família de criança com cardiopatia pede rapidez em atendimento

Início do Tratamento

Neste primeiro momento, a pequena Ana Célia vai ficar sob os cuidados do Hospital Materno Infantil para passar por uma avaliação médica, quando estiver pronta para realizar o procedimento cirúrgico, ela será encaminhada para o Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HU-UFMA).

A tia de Ana Célia, Emilena Ribeiro, disse a reportagem da TV Cidade de São Luís, está feliz e espera que outros bebês que precisam de atendimentos diferenciados e urgentes como sua sobrinha, também possam conseguir realizar o tratamento. "Eu tô feliz, mas ao mesmo tempo não né, porque eu sei que tem outras criancinhas que tão precisando também, que estão na fila aguardando, mas agradeço muito a Deus por o nosso dia ter chegado".

Entenda as doenças

A hipertensão pulmonar afeta as artérias dos pulmões e do lado direito do coração. Falta de ar, tonturas e pressão no peito são alguns dos sintomas. A condição piora com o tempo, mas os medicamentos e a terapia de oxigênio podem ajudar a diminuir os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Já a cardiopatia é uma alteração na estrutura do seu coração presente antes mesmo do nascimento. É um termo genérico utilizado para descrever alterações do coração e dos grandes vasos, presentes ao nascimento. Essas alterações ocorrem enquanto o feto está se desenvolvendo no útero e pode afetar cerca de 1 em cada 100 crianças, segundo dados da American Heart Association. É a alteração congênita mais comum e uma das principais causas de óbito relacionados a malformações congênitas.

Reportagem da TV Cidade de São Luís 



Acompanhe o Pirapemas.com também pelo Twitter™ e pelo Facebook
Informações, imagens, vídeos, sugestões, denúncias podem ser enviados no nosso WhatsApp: (98) 98179-7981 ou através do e-mail: contato@pirapemas.com





PUBLICIDADE


COMENTÁRIO